Prefeito de São Paulo fala em diálogo para evitar a paralisação de rodoviários na cidade

Prefeito de São Paulo fala em diálogo para evitar a paralisação de rodoviários na cidade

27 de julho de 2019 Off Por Redação Revista do Ônibus

SÃO PAULO – Com uma real ameaça de paralisação dos rodoviários marcada para a próxima quarta-feira (31), conforme já noticiamos aqui, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, aposta no diálogo para evitar que o transporte de ônibus da capital pare.

Em entrevista a Rádio Jovem Pan, Covas disse que tentará ver uma forma de negociar com os rodoviários, para com isso, evitar que a paralisação marcada para o dia 31 ocorra na cidade.

“A todo instante, a prefeitura participa e dialoga com as empresas concessionárias, com o sindicato para poder evitar o que seria um grande prejuízo para a população trabalhadora, que depende muito do ônibus aqui na cidade de São Paulo. Não é por conta deste episódio específico, isso é ao longo de toda a nossa gestão. E a gente espera que possamos chegar a um denominador comum, a um bom entendimento entre as prefeituras e as empresas e os trabalhadores”, disse o prefeito.

Impasse entre rodoviários e a Prefeitura

A gestão Bruno Covas pode retirar de circulação 260 ônibus do subsistema estrutural, formado pelas empresas mais tradicionais que operam coletivos maiores. Um comunicado que vazou da SPTrans, já mostrava o pedido de adoção da chegada de novos veículos do tipo padron sem o assento e a caixa de valores do cobrador.

Desta forma o Sindmotoristas acredita que pode haver demissões com essa redução de frota.

Durante um evento em comemoração ao dia do motorista, o deputado federal e presidente licenciado do Sindmotoristas, Valdevan Noventa deu à seguinte declaração:

“Os trabalhadores irão decidir o plano de lutas que conta, entre outras coisas, com a greve no sistema. São Paulo vai parar de uma vez por todas. Vamos mostrar ao prefeito Bruno Covas que não estamos de brincadeira e vamos, a qualquer custo, lutar pela garantia do emprego da categoria”, afirmou Valdevan Noventa.

“Antes mesmo de assinar a licitação dos transportes por ônibus, o prefeito Bruno Covas tem sinalizado que pretende reduzir a frota e implantar veículos do tipo padron, ou seja, sem o assento e a caixa de valores do cobrador. Isso é inadmissível. Já temos 13 milhões de desempregados no país, como pode um gestor público ser tão insensível e querer aumentar esse número, prejudicando mais de 19 mil trabalhadores, pais e mães de família?”, questionou o deputado.

Além da paralisação, o Sindmotoristas informou que o plano de lutas contará com uma passeata dos trabalhadores pela Avenida Paulista, Consolação com destino à sede da Prefeitura, na região central da cidade.

O sindicato informou ainda que essa greve está sendo organizada e que promete parar cerca de 14 mil ônibus que operam na cidade.

Com informações da Prefeitura de São Paulo e Sindimotoristas