SP: Motorista de fretado que tombou na Rio x Santos não tinha autorização para viajar diz empresa à polícia

SP: Motorista de fretado que tombou na Rio x Santos não tinha autorização para viajar diz empresa à polícia

30 de novembro de 2019 0 Por revistadoonibus

SÃO SEBASTIÃO – O motorista que dirigia o ônibus que acabou tombando com 42 passageiros a bordo na Rio x Santos, na manhã deste sábado (30), não tinha autorização para viajar, disse um dos sócios da empresa RTK Turismo, responsável pelo veículo que foi fretado de Itanhaém para Ilha Bela, em depoimento à polícia neste sábado.

Foto: Corpo de Bombeiros – Divulgação

De acordo com a polícia, o mecânico e o tio dele, que estava dirigindo o ônibus que sofreu acidente, são acusados de terem retirado o ônibus da garagem sem autorização. A Polícia Civil de São Paulo, segue investigando o acidente, e já prendeu o motorista do ônibus, que informou que receberia R$ 200 pelo serviço de fretamento.

O sócio Kleison Leandro Leite disse à polícia que um prestador de serviços mecânicos teria pedido autorização para organizar a excursão dos adolescentes com um dos ônibus da RTK Transportes. A empresa, segundo a Artesp não tem autorização para operar fretamento.

Esse mecânico é pai de uma das crianças que integrava a excursão de jovens esportistas para participarem de um torneio de rúgbi. Segundo Kleison, nem ele, nem os outros sócios liberaram a viagem com o veículo.

Após a negativa, segundo o empresário, o mecânico e o tio conseguiram retirar o ônibus da garagem alegando que tinha autorização. O tio, que é habilitado para dirigir ônibus, disse que não sabia que a retirada do ônibus do local tinha sido fraudada pelo sobrinho. Ele contou que foi contratado por R$ 200 reais para levar o grupo ao litoral norte.

Sobre o motivo do acidente, ele justificou à polícia que perdeu o controle da direção porque perdeu o freio. O veículo vai ser periciado pela Polícia Científica nos próximos dias – a data ainda não foi definida.

“A empresa está à disposição das vítimas. Foi uma fatalidade e cada um vai arcar com as suas responsabilidades“, disse Kleison em entrevista a Tv Globo.

Imprudência

Para a Polícia Civil, o motorista foi imprudente, ainda que justifique que não não sabia que o sobrinho fraudou a retirada do ônibus da garagem.

“Ele foi no mínimo imprudente, de pegar um ônibus que não conhecia, de dirigir em uma serra onde nunca havia passado, ainda mais trazendo crianças”, falou a delegada Ana Carolina Pereira.

Além disso, segundo ela, policiais que prestaram depoimento deram uma versão que também vai ser apurada. A eles, o motorista teria dito inicialmente que percebeu o freio falhar, mas que decidiu continuar viagem porque ‘achou que não teria problema’.

O caso foi registrado como homicídio culposo – sem intenção de matar – e lesão corporal. O motorista, de 44 anos, foi preso e deve passar por audiência de custódia neste domingo (1º). O mesmo ainda não possui um advogado constituído.

O sobrinho do motorista, suspeito de articular para pegar o ônibus mesmo sem autorização, ainda não foi ouvido porque permanecia no hospital acompanhando a filha, que ficou ferida no acidente. Ele também viajava no ônibus, mas não ficou ferido.

Foto: Ocorrência 24h Portinari -Divulgação

Feridos

Inicialmente os bombeiros informaram que a viagem ocorreu com 42 a bordo e que, no acidente, uma menina morreu, duas pessoas ficaram gravemente feridas e dez com ferimentos leves. O boletim de ocorrência da Polícia Civil registrou 46 passageiros, sendo dois deles em estado grave e 37 em estado leve ou moderado.

A maioria deles já tinha tido alta do pronto-socorro de Boiçucanga, em São Sebastião, ainda durante a manhã.

Artesp se manifesta

A Artesp, agência reguladora dos transportes públicos em São Paulo, informou na tarde deste sábado (30) que a RTK não tem cadastro na Artesp, nem autorização legal para o transporte de passageiros.

A utilização de transporte irregular traz riscos para os passageiros, já que os veículos não passam pelas vistorias exigidas pela Artesp para atuar no segmento, além de não haver a garantia de que o motorista está devidamente habilitado para a prestação do serviço“, diz trecho da nota do órgão.

O ônibus, que é identificado com a marca da viação Grandino, não pertence mais à empresa desde 2015, quando foi vendido para a RTK.

Em nota, a Grandino disse que vai tomar as medidas cabíveis contra a RTK por não ter retirado o nome da lataria e que lamenta o acidente.

A empresa Transportes Grandino vem por via desta dizer que lamenta profundamente o acidente ocorrido com um ônibus onde 42 jovens esportistas de um time de rúgbi de Itanhaém tombou na rodovia Rio-Santos (SP-55), na altura do município de São Sebastião, no Litoral Norte, na manhã deste sábado (30). Vem em nota esclarecer que muito embora o ônibus tenha estampado em sua pintura o nome “Grandino”, o mesmo NÃO pertence mais a frota da empresa desde 14 de Dezembro de 2015, quando foi vendido para empresa RTK Transportes. A Transportes Grandino esclarece ainda que está tomando todas as medidas cabíveis sobre o lamentável fato de a empresa RTK não ter retirado seu nome do veículo. Termina dizendo que está profundamente entristecida e solidária aos acontecimentos e familiares.

A RTK Transportes ainda não se manifestou sobre o assunto, até a publicação desta reportagem no fim da tarde deste sábado.

Com informações da Prefeitura de São Sebastião, Polícia Civil, TV Vanguarda e Artesp