Belo Horizonte determina o uso de máscaras no transporte e unidades de saúde

Belo Horizonte determina o uso de máscaras no transporte e unidades de saúde

18 de novembro de 2022 Off Por Redação Revista do Ônibus

BELO HORIZONTE – A Prefeitura de Belo Horizonte informa que a partir desta sexta-feira (18), o uso de máscara passa a ser obrigatório nos estabelecimentos e serviços de saúde de Belo Horizonte; no transporte coletivo e nas respectivas estações de embarque e desembarque; no transporte escolar; e nos serviços de transporte por táxi ou aplicativo.

Belo Horizonte determina o uso de máscaras no transporte e unidades de saúde - revistadoonibus

Ainda segundo o governo municipal, o decreto que traz a obrigatoriedade do uso de máscara será publicado no Diário Oficial do Município desta sexta-feira (18).

Em entrevista à imprensa, a secretária de Saúde, Cláudia Navarro, ressaltou que o uso de máscara continua recomendado nos demais locais fechados, naqueles onde há grande aglomeração, e também por pessoas idosas, com comorbidades ou não vacinadas contra a Covid-19.



Belo Horizonte determina o uso de máscaras no transporte e unidades de saúde - revistadoonibus

“Nas últimas três semanas, a Secretaria Municipal de Saúde observou um aumento de 3% para 15% da positividade dos testes para detecção de Covid-19 realizados nas unidades próprias do município. Nesse período, não tivemos, no entanto, aumento do número de óbitos ou de internações em UTIs causados pela doença. Para que Belo Horizonte não volte a registrar esse quadro, estamos anunciando a volta do uso obrigatório das máscaras”, explicou a secretária de Saúde.

A Prefeitura informa que a nova medida será válida até 2 de dezembro.



Belo Horizonte determina o uso de máscaras no transporte e unidades de saúde - revistadoonibus

De acordo com o decreto, o uso de máscaras será obrigatório nos seguintes estabelecimentos e serviços de saúde: hospitais; unidades de Pronto Atendimento; Unidades Básicas e Secundárias de saúde; serviços móveis de urgência; consultórios médicos; clínicas especializadas (odontologia, quimioterapia, radioterapia, hemoterapia, litotripsia, bancos de células e tecidos humanos, reprodução humana assistida, dialise e nefrologia); serviços de vacinação e imunização humana; e serviços de diagnósticos abertos ao público (laboratórios de análises clinicas, exames por imagem, por registros gráficos e métodos ópticos). 

Com informações da Prefeitura de Belo Horizonte