SP: Paralisação de rodoviários de São Vicente segue pelo segundo dia

SP: Paralisação de rodoviários de São Vicente segue pelo segundo dia

2 de março de 2022 Off Por Redação Revista do Ônibus

SÃO VICENTE – A paralisação dos rodoviários de São Vicente, no litoral de São Paulo, segue pelo segundo dia, onde os funcionários da empresa Otrantur, reivindicam desde esta última terça-feira (1º) o pagamento de salários e benefícios que segundo a categoria segue atrasado.

SP: Paralisação de rodoviários de São Vicente segue pelo segundo dia - revistadoonibus

A manhã desta quarta-feira (2), a operação municipal da empresa Otrantur segue com apenas 50% dos ônibus funcionando durante o dia e 70% da frota nos horários do rush, como determina uma decisão judicial. No dia 9 de fevereiro último, foi encerrada a última paralisação, depois que o pagamento dos valores que estavam atrasados foram pagos.

De acordo com Valter Gomes da Silva, que é o diretor jurídico do Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários de Santos e Região – Sindrod, afirmou que os funcionários retomaram a greve devido o atraso do pagamento, do vale-refeição e da cesta básica referente ao mês de fevereiro, que deveriam ser pagos na última segunda-feira (28). A decisão da greve foi discutida em uma assembleia em frente à empresa.


SP: Paralisação de rodoviários de São Vicente segue pelo segundo dia - revistadoonibus

Além do pagamento e benefícios atrasados, que motivaram a greve, Mineiro afirma que a Otrantur concedeu férias para 18 motoristas no início de fevereiro, mas não pagou os funcionários. “Conforme diz a lei, o pagamento deve ser em até 2 dias antes do período de gozo, eles saíram em 1º de fevereiro e não houve pagamento e nem previsão de quando seja feito”, disse.

Ainda segundo o sindicalista, a empresa Otrantur também não está realizando o pagamento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço – FGTS. Por esse motivo, os trabalhadores estão com dificuldade para realizar o saque do abono salarial do Programa de Integração Social – PIS. “Eles não estão conseguindo porque a empresa não regularizou, está tudo ilegal”.

SP: Paralisação de rodoviários de São Vicente segue pelo segundo dia - revistadoonibus

Otrantur se manifesta

A empresa Otrantur que é responsável pelo transporte municipal de São Vicente, informou por meio de nota que na madrugada de terça-feira (1º) formou-se um movimento grevista, com base em um estado de greve permanente imposto pelo sindicato, junto a uma parte dos funcionários, visando manter a concessionária em estado de tensão permanente.

Ainda segundo a empresa de ônibus, a reivindicação dos funcionários pauta-se no pagamento de salários vencidos na última segunda-feira (28), embora a concessionária tenha buscado outras formas de financiar. O processo junto aos agentes financeiros é moroso e o feriado de carnaval atrasou o cronograma previsto.

A concessionária afirma que está cumprindo a última liminar e acredita que na volta do expediente bancário as questões serão solucionadas e, assim, ocorra a normalização do serviço e que não há outros valores em aberto junto aos colaboradores, apenas os inerentes ao mês de fevereiro de 2022, já que as demais verbas reivindicadas em greves passadas foram objeto de acordos que estão sendo cumpridos.

A direção da Otrantur ainda não comentou sobre as reclamações relacionadas ao FGTS/PIS.


Prefeitura de São Vicente se manifesta

A Prefeitura de São Vicente informou por meio de nota que segue em contato com a empresa de ônibus e os rodoviários para apurar a real motivação da paralisação desta última terça-feira (1º).

A administração municipal informou que em 9 de fevereiro realizou depositou um subsídio emergencial de R$ 400 mil para que a Otrantur pagasse os salários atrasados dos funcionários, o que foi feito. Ao todo, serão 11 repasses mensais no mesmo valor para que a empresa honre com o pagamento de todos os trabalhadores e equacione o equilíbrio econômico-financeiro.

O governo municipal disse que estará enviando por meio da Secretaria de Assuntos Jurídicos – Sejur e da Subsecretaria de Trânsito e Transportes, notificações à empresa exigindo esclarecimentos acerca da paralisação, uma vez que os subsídios servem para suprir essas necessidades. Caso a empresa não tenha capacidade de cumprir o acordo, o vínculo deverá ser encerrado.

Com informações da Otrantur Transportes Turismo e Prefeitura de São Vicente