Rio: TJ suspende liminar neste domingo e BRT volta ser operado pela Prefeitura

Rio: TJ suspende liminar neste domingo e BRT volta ser operado pela Prefeitura

27 de fevereiro de 2022 Off Por Redação Revista do Ônibus

RIO – O Globo, informou que o desembargador de plantão do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, José Carlos Maldonado, acabou suspendendo neste domingo (27), a liminar que passou devolver a operação do Sistema do BRT Rio aos empresários do transporte municipal, que vinha sendo administrado pela empresa estatal Mobi Rio da Prefeitura do Rio, de Eduardo Paes.

Rio: TJ suspende liminar neste domingo e BRT volta ser operado pela Prefeitura - revistadoonibus

Em tese, a media passa suspender a liminar dos consórcios Internorte e Transcarica, que na última sexta-feira (25), através da 6ª Vara de Fazenda Pública, suspendia os efeitos de decretos do prefeito Eduardo Paes que decretavam a caducidade do contrato de operação e que transferiu a administração dos corredores para o governo municipal, através da empresa Mobi Rio.

”O serviço de transporte público pelo BRT RIO S/A é fato público e notório, está longe se ser no mínimo razoável. Quando os consórcios operavam o serviço havia dezenas de estações fechadas, outras várias foram depredadas, e a intervenção que os afastou da gestão restabeleceu um pouco de ordem pela reabertura das estações e retorno de inúmeros ônibus articulados a atividade. Devolver aos consórcios a administração do serviço público será praticamente garantir a ineficiência do serviço por eles já demonstrada em manifesto prejuízo a considerável parcela da população carioca,” escreveu o desembargador em seu despacho.


Rio: TJ suspende liminar neste domingo e BRT volta ser operado pela Prefeitura - revistadoonibus

Os empresários do transporte municipal que operam as linhas com os ônibus articulados do BRT, argumentam, por exemplo, prejuízos com a quebra dos ônibus que segundo eles, ocorre devido ao mal estado de conservação das faixas dos ônibus, principalmente no corredor TransOeste.

De acordo com os consórcios, pelos contratos de concessão, a manutenção das vias é de responsabilidade da prefeitura do Rio.

Com informações do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro e O Globo