Guarapari: Rodoviários da Expresso Lorenzutti realizam paralisação

Guarapari: Rodoviários da Expresso Lorenzutti realizam paralisação

22 de abril de 2021 Off Por Redação Revista do Ônibus

GUARAPARI – Os funcionários da empresa Expresso Lorenzutti, que opera linhas municipais em Guarapari, realizaram na manhã desta quinta-feira (22), uma paralisação das atividades, deixando milhares de moradores da cidade que precisavam se locomover entre os diversos bairros, sem ônibus. A paralisação, segundo a categoria é devido o atraso no pagamento de salários e de benefícios.

A paralisação foi organizada pelo Sindicato dos Rodoviários de Guarapari – Sintrovig e, segundo informações, os ônibus continuam parados até o momento. Uma Assembleia está sendo realizada agora com motoristas, cobradores, líderes sindicais e representantes da Lorenzutti, e irá decidir se a paralisação continuará ou não.

A direção da Expresso Lorenzutti, emitiu nota repudiando a paralisação dos ônibus, e afirmou que segue enfrentando dificuldades com os pagamentos devido à paralisação do transporte por 17 dias, porém está realizando esforços para pagar as parcelas acordadas.

“Os rodoviários estavam protestando devido aos atrasos do pagamentos e benefícios, o sindicato veio intermediar, porém, não houve acordo. O transporte volta ao normal amanhã, mas se não tiver acordo até terça-feira, vamos parar 70% da frota. A empresa pagou só 46% do salario e os trabalhadores não quiseram os R$200 de ticket que foi proposto durante a reunião, queriam o valor integral, e o restante do salário do mês de abril só seria pago em maio”, comentou Wanderley Gonçalves, presidente do Sintrovig.

Confira a nota na íntegra:

“A empresa Expresso Lorenzutti, vem, através da presente, registrar seu repúdio ao movimento de realizado pelo Sindicato dos Rodoviários de Guarapari (SINTROVIG-ES), de paralisação total realizada pelos rodoviários no dia 22 de abril de 2021 sem prévio aviso, impedindo a saída dos ônibus para circulação

O serviço de transporte coletivo de passageiros, conforme previsto na Constituição Federal, é um direito social e que possui caráter essencial. Por conta da essencialidade do serviço, a lei impõe que as entidades sindicais ou trabalhadores comuniquem a decisão de greve aos empregadores e usuários com antecedência mínima de 72 horas da paralisação, conforme dispõe o art. 13 da Lei nº 7.783/89.

No caso, essa comunicação prévia não foi feita pelo SINTROVIG-ES, motivo pelo qual a greve ora realizada mostra-se manifestamente inconstitucional.

Ressaltamos que nos últimos anos de execução do serviço de transporte público de passageiros a empresa vem sendo submetida à grave crise financeira ocasionada pela histórica defasagem tarifária que lhe é imposta, o que se agravou com queda de demanda em decorrência das medidas restritivas de circulação impostas pelo Poder Público para combate à pandemia do coronavírus (COVID -19), sobretudo após a publicação dos Decretos Estaduais nº 4859-R, nº 4848-R e nº 4866-R.

Em virtude de todos esses fatos e, principalmente, da paralisação do transporte público municipal determinado pelo Governo Estadual por mais de 17 dias, a receita atualmente auferida não tem sido suficiente para cobrir os custos mínimos para operação do sistema de transporte.

Tais fatores, importante registrar, resultam, na verdade, no desequilíbrio econômico-financeiro do contrato de concessão, que, por sua vez, é de conhecimento do Município de Guarapari/ES.

Diante desse cenário, objetivando evitar o colapso do sistema e a interrupção do serviço de transporte público essencial, a empresa informa que já realizou o pagamento da 3ª parcela referente ao acordo firmado com a categoria de forma integral, além de ter efetuado o pagamento de 50% do salário dos funcionários, no montante aproximado de R$ 200.000,00, no último dia 10 de abril de 2021.

Reiteramos aos funcionários que a empresa vinha cumprindo seu pagamento em dia, entretanto, diante da paralisação do transporte por mais de dezessete dias no mês de abril determinada pelo Governo do Estado, a empresa vem tendo dificuldades de honrar com pagamento.

Apesar de tais dificuldades, repita-se, a empresa fez enorme esforço para pagar a todos os funcionários o valor integral da 3ª parcela do acordo firmado entre a empresa e o SINTROVIG-ES, bem como 50% do salário.

Ademais, informa que na reunião realizada com funcionários da empresa em 20 de abril 2021, a empresa se propôs a juntar o valor arrecadado na segunda-feira (19/04/2021), terça-feira (20/04/2021), quinta-feira (22/04/2021) e sexta-feira (23/04/2021) para realizar o pagamento, que seria em torno de R$ 200,00 em ticket alimentação.

Por fim, importante salientar que a crise deflagrada pela pandemia da COVID-19 e o consequente desequilíbrio econômico-financeiro nos contratos de transportes de passageiros vem ocorrendo não só no Município de Guarapari/ES, mas a nível Estadual e Nacional.

Tanto é verdade que o Governo do Estado desde o mês de abril de 2020 está subsidiando o DIESEL para todas as empresas do Sistema TRANSCOL, a fim de que tais empresas não parassem de operar mesmo com a demanda reduzida, além de manter o subsídio a tarifa a fim de evitar o colapso do sistema de transporte intermunicipal.”

Com informações da Expresso Lorenzutti, e Sindicato dos Rodoviários de Guarapari