Últimas:
Empresários do turismo e fretamento pedem socorro em meio a pandemia da Covid-19

BRASÍLIA, RIO E SÃO PAULO – Empresários do setor de turismo e fretamento rodoviário seguem em crise durante a pandemia da Covid-19. Eles estão pedindo socorro aos bancos e estão organizando para o início da tarde desta terça-feira (20), uma manifestação em ao menos dez capitais, como forma de tentar sensibilizar o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES, assim como outros bancos privados, para que prorroguem por ao menos 12 meses, o pagamento dos ônibus que estão financiados.

Foto: Divulgação

O movimento da manifestação é promovido pelo grupo conhecido como Fretados pela Liberdade, que acreditam que o protesto possa contar com mais de 600 ônibus rodoviários em mais de dez capitais brasileira nesta tarde. A manifestação estava marcada para começar ao meio dia.

O setor de turismo e fretamento rodoviário gera cerca de 180 mil empresas diretos e indiretos e acabou sendo um dos setores mais atingidos no Brasil, durante os últimos doze meses, com a paralisação dos ônibus devido a pandemia da Covid-19.

Foto: Divulgação

Com cidades turísticas proibindo a entrada de ônibus de turismo, como Aparecida em São Paulo Cabo Frio, no Rio de Janeiro, Caldas Novas em Goiás e Porto Seguro, assim como as capitais de Salvador e Rio de Janeiro, o setor amarga grandes prejuízos, que não são repassados pelos governos dos estados e da união.

“As empresas tiveram vários contratos fixos cancelados, além de observar as viagens de turismo sendo drasticamente reduzidas. As poucas viagens que restaram estão sendo impedidas por decretos e medidas restritivas”, afirma o empresário Marcelo Nunes, um dos líderes do Movimento Fretadores pela Liberdade.

Foto: Divulgação

Dessa maneira, Nunes acredita que a prorrogação do prazo para pagar os financiamentos traria fôlego aos empresários do setor. “Há milhares de ônibus no Brasil financiados pelo BNDES com suas parcelas atrasadas. Sofremos com constantes apreensões. Veículos estão sendo leiloados”, completa.

Com informações do movimento Fretados pela Liberdade

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: