Rio: Carro que provocou acidente com ônibus do BRT era roubado e tinha placa clonada, diz Polícia Civil

Rio: Carro que provocou acidente com ônibus do BRT era roubado e tinha placa clonada, diz Polícia Civil

12 de março de 2021 Off Por Redação Revista do Ônibus

RIO – A Polícia Civil do Rio de Janeiro, informou que o carro que acabou provocando o acidente com um ônibus articulado do BRT Rio, nesta última quarta-feira (10), no bairro de guaratiba, na Zona Oeste da cidade, e que por conta do acidente deixou uma pessoa morta e 58 feridas, tinha placa clonada e era roubado. Ainda segundo a corporação, o carro era da cidade de Santo André, em São Paulo, mas o carro foi levado na Zona Norte da capital fluminense.

Foto: Alexandre Siqueira/TV Band

Os agentes da Polícia Civil seguem na investigação do caso e já teria solicitado imagens de câmeras de segurança do Centro de Operações Rio, para tentar solucionar o caso.

A passageira identificada como Eliana Carvalho, de 40 anos, que estava no ônibus do BRT RIo, acabou ficando presa embaixo do coletivo e morreu na hora. O acidente repercutiu nas principais redes sociais, e na televisão.

De acordo com a Band News FM Rio, o sobrinho de Eliana, Fernando Sérgio, conta que ela costumava voltar para de carona e raramente pegava o BRT.

Foto: Reprodução de Redes Sociais

A emissora de rádio, informou que o motorista do carro invadiu a pista do BRT fugiu pela mata e deixou uma mulher e duas crianças no veículo, que foram socorridas por testemunhas. Segundo a delegada, Marcia Julião, ele vai responder por homicídio culposo e lesão corporal culposa, ou seja, quando não há intenção por parte do autor do crime.

Um terceiro carro, de uma empresa de telefonia, também se envolveu no acidente e teve a lataria amassada.

Acesso indevido às pistas exclusivas do BRT Rio provocou 130 colisões em 2020, diz consórcio

O acidente causado por um veículo de passeio que invadiu a calha exclusiva do BRT, causando a morte de uma passageira e deixando quasse 40 pessoas feridas, não foi um caso isolado. Diariamente, os articulados do BRT Rio enfrentam o desafio de ter a pista exclusiva invadida por outros veículos. E o resultado dessa infração é preocupante: somente em 2020 houve 130 colisões com carros e motos.  

Apesar de trafegar em velocidade inferior àquelas verificadas nas faixas para automóveis e ônibus urbanos, um articulado de 15 toneladas precisa de mais tempo e espaço para realizar a frenagem total, o que torna qualquer invasão nas pistas exclusivas ainda mais perigosa.

Além do risco à vida das pessoas, os constantes acidentes impactam no planejamento e nos intervalos entre os serviços, afetando a operação com desvios, por exemplo. Nessas situações os articulados são obrigados a circular momentaneamente fora da sua pista, o que acarreta a diminuição da velocidade e a dependência do fluxo do tráfego fora da calha.

Com informações da Prefeitura do Rio, Band News FM, Polícia Civil do Rio de Janeiro e Consórcio BRT Rio

Confira mais notícias sobre o BRT Rio