SP: Ônibus da EMTU seguem lotados em meio a pandemia da Covid-19

SP: Ônibus da EMTU seguem lotados em meio a pandemia da Covid-19

9 de março de 2021 Off Por Redação Revista do Ônibus

DIADEMA – Os moradores de Diadema que precisaram utilizar os ônibus da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo – EMTU, que fazem a linha 287 – Diadema (Terminal Metropolitano Diadema) – Santo Andre (Terminal Metropolitano Santo Andre Oeste), notaram que os coletivos estavam atrasados e bem lotados, neta manhã de quarta-feira (9).

Ainda de acordo com os moradores e passageiros da linha, o atrasos equivalente há três vezes maior que o habitual, pode ter colaborado para a lotação nos coletivos, deixando a prestação do serviço comprometida, durante a pandemia da Covid-19, quando passageiros viajavam aglomerados, aumentando os riscos da contaminação pelo novo coronavírus.

Todos os veículos da linha que passavam pela Parada Gilsa, assim como todos os ônibus do modelo Trólebus, que seguiam para Diadema, registravam lotação de passageiros.

EMTU emite nota sobre o assunto

A Secretaria dos Transportes Metropolitanos está com ‘Operação Monitorada’ desde o início da pandemia, atuando com avaliação sistemática a cada faixa de horário para atender a necessidade do cidadão. A operação intermunicipal é avaliada, sobretudo em horários de pico, e quando constatada a necessidade, mais veículos ou ajustes nos intervalos de partida são realizados para melhorar a distribuição de passageiros. Há atuação conjunta da Fiscalização, do Planejamento Operacional e do Centro de Gestão e Supervisão para definir e acompanhar as necessidades e os procedimentos corretivos. No momento, a programação de viagens permanece a mesma da semana passada, antes da implantação da fase vermelha do Plano SP em todo o Estado.

O Secretário Alexandre Baldy defende o escalonamento da abertura e fechamento das atividades essenciais que sejam permitidas funcionarem, como um caminho possível para evitar a concentração de passageiros nos horários de pico no transporte, desafogando o horário de pico (5h30 às 7h30 e de 17h30 às 19h30). Uma solução racional, mas que depende de autoridades municipais para que consigamos expandir e diluir o horário de pico, otimizando a estrutura urbana do transporte coletivo.

Com informações de Redes Sociais e Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo – EMTU