Rodoviária de Belo Horizonte completa 50 anos de histórias e muitas  conexões

Rodoviária de Belo Horizonte completa 50 anos de histórias e muitas conexões

9 de março de 2021 Off Por Redação Revista do Ônibus

BELO HORIZONTE – A Rodoviária de Belo Horizonte comemora nesta terça-feira (9), meio século de chegadas, partidas, encontros, histórias e conexões. Principal ponto de embarques e desembarques rodoviários de Minas Gerais e um dos maiores da América Latina, o empreendimento tem mais de 35 mil m² e, em condições normais, movimenta diariamente média de 40 mil pessoas, com 230 linhas em funcionamento. Também neste mês, a Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais – Codemge completa cinco anos de sua gestão no Terminal.

Para celebrar o aniversário de 50 anos deste emblemático símbolo da capital mineira, a Codemge lançou o site, novo portal eletrônico exclusivo em que o cidadão pode consultar horários de ônibus, contatos das empresas de transporte que atuam no local, serviços oferecidos, informações sobre achados e perdidos, orientações aos passageiros e notícias, por exemplo. Além disso, a Empresa está homenageando a Rodoviária com a promoção de uma campanha comemorativa interna, pela qual os engenhos publicitários do Terminal estão recebendo esta semana imagens com fotos de obras e melhorias executadas, além de um selo visual dos 50 anos, especialmente desenvolvido para compor as peças. O Espaço Cultural, localizado no hall de entrada, também ressoa a homenagem, com a exposição de um poema escrito por um dos usuários, Hudson Eustáquio Cunha de Paula, em celebração ao jubileu de ouro.

A atual Administração da Rodoviária de Belo Horizonte tem trabalhado para oferecer cada vez mais conforto, bem-estar, mobilidade e segurança a seus usuários, com investimentos para diversas melhorias já realizadas nos últimos cinco anos, como: reforma dos sanitários públicos; construção de sobre cobertura; revitalização da infraestrutura elétrica; revitalização de pisos, do teto, da pintura e das escadas; reforma das esteiras rolantes; modernização das longarinas (assentos); instalação de nova praça de alimentação; construção de novos elevadores. Outras informações sobre obras e melhorias feitas no local estão disponíveis no site do terminal.

O Terminal Rodoviário é responsável pelo transporte de aproximadamente 10 milhões de passageiros por ano, em condições normais. Desde o início da pandemia de covid-19, há um ano, o fluxo teve queda expressiva, chegando a mais de 80%. A Administração orienta que, durante este período, apenas quem for viajar entre no local. O uso de máscaras, durante toda a permanência no Terminal e no interior dos ônibus, também é imprescindível, assim como manter o distanciamento adequado. A Rodoviária de BH tem adotado várias medidas preventivas e educativas, em alinhamento com as diretrizes legais e em favor do bem-estar dos usuários, conforme nota disponível no site.

Foto: Divulgação

Meio século de história

No início da década de 1940, Belo Horizonte inaugurava sua primeira estação de passageiros. Localizado atrás da Feira Permanente de Amostras, o espaço foi pioneiro na centralização do transporte rodoviário no Brasil. Em meados dos anos 60, entretanto, a grande demanda por embarques e desembarques, impulsionada pelo crescimento da capital mineira, implicou a necessidade de construção de um Terminal com maior estrutura e capacidade de atendimento.

Foi então que, em 1965, o Governo do Estado de Minas Gerais, à época comandado por Israel Pinheiro, deu ao Departamento de Estradas e Rodagem – DER a incumbência de executar a demolição da feira de amostras, local que deu espaço à atual Rodoviária, denominada Terminal Rodoviário Governador Israel Pinheiro. As obras foram finalizadas em dois anos, inaugurando-se, em 9 de março de 1971, o complexo arquitetônico formado por oito plataformas de embarque (com capacidade para operar, simultaneamente, até 48 partidas) e sete de desembarque (comportando 14 chegadas simultâneas).

O prédio, arquitetado por modernistas como Walter Machado, Fernando Graça, Francisco Espírito Santo e Luciano Passini e construído por equipe de engenheiros do DER, recebeu o prêmio da 1ª Bienal de Arquitetura no ano de sua inauguração. Em 1994, a fachada e o volume do edifício foram tombados pela Secretaria Municipal de Cultura.

Atualmente, a Rodoviária de BH é administrada Codemge, desde 1º de março de 2016, por meio de convênio realizado com o DER/MG. Outras informações: www.rodoviariadebelohorizonte.com.br.

Com informações do Codemge