Vitória: Rodoviários do Transcol fazem paralisação durante manifestação nesta manhã

Vitória: Rodoviários do Transcol fazem paralisação durante manifestação nesta manhã

8 de março de 2021 Off Por Redação Revista do Ônibus

VITÓRIA – Os funcionários do Sistema Transcol, realizam desde a madrugada desta segunda-feira (8), um protesto pedindo o retorno dos cobradores aos ônibus que operam linhas em Vitória e Região Metropolitana. Além dos ônibus do Sistema Transcol, os coletivos que operam linhas municipais, também não estão rodando nesta manhã. Diversos pontos de ônibus e terminais, seguem lotados.

Estão circulando apenas os coletivos do Transcol que possuem ar-condicionado, bem como os micro-ônibus do sistema municipal de Vitória, Vila Velha, Serra e Cariacica, todos que não possuem espaço para cobradores.

No município de Vila Velha, a Viação Sanremo segue com toda a frota operando, uma vez que a empresa já opera os ônibus com cobradores, como disse o Sindicato dos Trabalhadores Em Transportes Rodoviários do Estado do Espirito Santo – Sindirodoviários.

Segundo Miguel Leite, que diretor do Sindicato dos Trabalhadores Em Transportes Rodoviários do Estado do Espirito Santo – Sindirodoviários, a manifestação e paralisação do transporte só deve ser finalizada mediante uma ordem judicial.

Os rodoviários realizam o protesto, já que em 29 de dezembro, o governo estadual, anunciou que os cobradores seguiriam afastado de suas funções sem uma data para retornar ao trabalho. A categoria, tema por uma demissão em massa.

A decisão da Secretaria de Estado de Mobilidade e Infraestrutura – SEMOBI, que determina a suspensão dos contratos dos cobradores de ônibus, segue vigente até que o estado de emergência em saúde pública permaneça, me meio a pandemia do novo coronavírus, ou seja, sem data para uma solução.

De acordo com a categoria, a suspensão contratual que se iniciou em 17 de maio de 2020, e que foi prorrogada por ao menos três vezes, acabou sendo baseada no Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda, feito pelo Governo Federal, onde permite a redução de jornada e de salários e também a suspensão de contratos de trabalho. O programa teria se encerrado, segundo os rodoviários com a virada do ano.

Os rodoviários pedem garantias de que não deverão ser demitidos. Segundo a SEMOBI, os cobradores precisam voltar ao trabalho em funções que as empresas de ônibus definam os novos postos. Porém, não há um acordo entre a Semobi e o Sindirodoviários em relação a essa medida.

Ceturb e Semobi se manifestam

A Semobi e a Companhia Estadual de Transportes Coletivos de Passageiros do Estado do Espírito Santo – Ceturb/ES informaram em nota que a suspensão da atividade do cobrador no interior nos ônibus do sistema Transcol permanece enquanto perdurar o estado de calamidade pública declarado em virtude de emergência em saúde pública de importância internacional, declarado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Ainda segundo os órgãos, após reunião realizada com Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) onde foi discutido o agravamento da crise de pandemia no país e no Espírito Santo, foi orientado que não seja autorizado, neste momento, o retorno da atividade dos cobradores no interior dos ônibus.

“Desta forma, as medidas de enfrentamento ao novo coronavírus implementadas, entre elas a utilização obrigatória do CartãoGV pelos usuários do sistema de transporte; e suspensão da atividade do cobrador no interior dos coletivos permanecem enquanto durar o estado de calamidade pública no estado”, diz parte da nota.

A Semobi informou ainda que já vem discutindo e está finalizando o plano de retorno dos cobradores para ser posto em prática quando for encerrado o estado de calamidade ou estiver em consonâncias com as autoridades de saúde.

Em relação a este plano, a Semobi adiantou que o pagamento em dinheiro no interior dos coletivos permanecerá suspensa, mesmo depois do retorno dos cobradores as suas atividades. Os cobradores também devem retornar as suas atividades a bordo apenas em horários pré-determinados, como os de pico para auxiliar na comercialização de créditos do CartãoGV via pagamento com cartão de crédito ou débito.

“Vale ressaltar que todos os profissionais afastados estão recebendo integralmente seus salários. Ao promover o movimento de paralisação de transporte coletivo neste momento, a Semobi entende que isso somente põe em risco a saúde de trabalhadores e de passageiros do sistema, além de gerar transtornos para diversos segmentos econômicos, sociais e à própria saúde pública. Além disso, o movimento também descumpre descisão judicial proferida pela justiça do trabalho que impede qualquer movimento de paralisação do transporte público na Região Metropolitana da Grande Vitória”, finaliza a nota.

Com informações da BandNews FM, Tv Globo, Secretaria de Estado de Mobilidade e Infraestrutura – SEMOBI e Sindicato dos Trabalhadores Em Transportes Rodoviários do Estado do Espirito Santo – Sindirodoviários