SP: João Doria determina toque de recolher em todo o estado para conter a propagação da covid-19. Transporte terá restrições

SP: João Doria determina toque de recolher em todo o estado para conter a propagação da covid-19. Transporte terá restrições

24 de fevereiro de 2021 Off Por Redação Revista do Ônibus

SÃO PAULO – Na tentativa de conter o avançando da Covid-19 em todo o estado de São Paulo, e principalmente na capital e em cidades da Região Metropolita, o governador João Doria, determinou um toque de recolher, que busca restringir a circulação de pessoas das 23h às 5h, todos os dias, como forma de contar a proliferação do novo coronavírus.

De acordo com o governo do estado, a ação do toque de recolher, acontece por causa do grande número de pacientes internados em unidades de terapia intensiva – UTI destinadas à covid-19, que chegou a bater recorde essa semana.

“Nós não iremos, evidentemente, punir alguém que estiver retornando para sua casa. O transporte público não será interrompido, ele será restringido, limitado, mas não interrompido, e nem vamos penalizar alguém que trabalhou até 22h, por circunstâncias pega dois transportes para chegar até sua casa e excede o horário de restrição. Ele chegará a sua casa e não será multado. É preciso bom senso. Estamos trabalhando dentro do bom senso. Essa não é a pessoa que está ferindo e rompendo o Plano São Paulo. Esse é um trabalhador ou uma trabalhadora retornando para sua casa”. Disse o governador.

A medida entra em vigor a partir desta sexta-feira (26) e vai até o dia 14 de março. Ela é válida para todos os 645 municípios do estado. Caso julgue necessário, cada prefeito poderá intensificar as medidas, restringindo ainda mais a circulação das pessoas. Uma força tarefa, formada pela Polícia Militar, Procon e Vigilâncias Sanitárias, ficará responsável pela fiscalização, com blitz sendo feitas em alguns locais do estado. A população também pode denunciar violações a essa medida e avisar sobre festas clandestinas pelo telefone 0800-771-3541, que é gratuito. Multas poderão ser aplicadas para quem infringir a determinação.

O governo de São Paulo, informou ainda que poderão funcionar neste período, atividades consideradas essenciais, como supermercados, farmácias, unidades de saúde humana e animal, postos de combustíveis, ônibus, trólebus, trem, VLT (Veículos Leves sobre Trilhos), monotrilho, carros de aplicativo, táxis, ônibus rodoviários, ônibus fretados, segurança privada, entre outras.

Sem essas ações, o Centro de Contingência estima que, em 22 dias, o estado de São Paulo teria um esgotamento de leitos de UTI para tratamento de pacientes de covid-19.

Aumento nos Casos da Covid-19 em São Paulo

Na última segunda-feira (22), o estado de São Paulo bateu recorde de casos de covid-19. Nessa data, atingiu-se o maior número de pessoas internadas em unidades de terapia intensiva (UTI) destinadas à doença desde o início da pandemia, com um total de 6.410 pessoas internadas em estado grave. Até então, o número mais alto de ocupação de leitos de UTI havia sido 6.257, número alcançado em julho do ano passado. Hoje, pelo terceiro dia consecutivo, o estado atingiu mais um recorde, com 6.657 pessoas internadas em estado grave no estado. Já há cidades no interior que estão com 100% de ocupação dos leitos para covid-19, sem capacidade para atender mais nenhum doente.

“Na última semana estamos observando aumento importante no número de novas internações no estado de São Paulo”, disse Paulo Menezes, coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus em São Paulo. Segundo ele, a média móvel de novas internações cresceu cerca de 10% essa semana em relação à semana anterior e tem batido recordes sucessivos nos últimos dez dias. Isso se deve, em parte, diz o Centro de Contingência, pelas variantes do novo coronavírus que já estão circulando em todo o estado.

“É muito preocupante o que está ocorrendo e as medidas que estamos tomando são totalmente necessárias para o enfrentamento da pandemia”, disse João Gabbardo, coordenador-executivo do Centro de Contingência do Coronavírus em São Paulo.

Com informações da Agência Brasil e Governo do Estado de São Paulo