Varginha: Autotrans não respeita o decreto da prefeitura e se torna alvo de reclamações com ônibus lotados

Varginha: Autotrans não respeita o decreto da prefeitura e se torna alvo de reclamações com ônibus lotados

24 de maio de 2020 Off Por Redação Revista do Ônibus

VARGINHA – A empresa Autotrans que opera linhas municipais no município de Varginha, no Sul de Minas, segue sendo alvo de reclamações de moradores e cliente, após a empresa seguir transportando passageiros em pé e em ônibus superlotados, durante a pandemia do novo coronavírus.

Nas principais redes sociais e também nos diversos grupos de mensagens por aplicativos da cidade, o que não falta é reclamação da prestação de serviço da empresa. Além da superlotação dos coletivos, os moradores informam que há atrasos principalmente nos horários de pico, a falta de higienização e limpeza dos ônibus e a falta de educação por parte de alguns funcionários da transportadora.

O decreto municipal nº 9.777 publicado no dia 16 de abril de 2020, que autorizou a reabertura do comércio na cidade, também determina que a empresa passe operar as linhas municipais com total capacidade.

“O transporte coletivo municipal deverá operar com sua capacidade máxima de frota, ficando proibida a circulação de usuários em pé […],” segundo redação do Artigo 10 do decreto 9.777/2020. 

Em meio a polêmica, a empresa de ônibus segue operando em descumprimento ao decreto da prefeitura, como informa o portal Varginha On Line.

Prefeitura de Varginha de manifesta sobre reclamações

A Prefeitura de Varginha divulgou uma nota neste sábado (23), justificando o péssimo serviço que a empresa Autotrans segue oferecendo na cidade.

ESCLARECIMENTO TRANSPORTE COLETIVO EM VARGINHA

A Prefeitura de Varginha, por meio da Divisão do Transporte Municipal e Planejamento, esclarece que devido à Covid-19 o transporte coletivo urbano teve que passar por adequações. Antes eram transportados 30.000 usuários por dia, entre gratuidade, estudantes, deficientes e demais usuários em uma frota de 60 ônibus. Com a pandemia o número de carros, por determinação da empresa, foi reduzido pela metade para transportar atualmente 9.000 passageiros. Ou seja, a frota foi reduzida à metade para um público que diminuiu cerca de 70%.

Além disso, de acordo com um planejamento, estão sendo priorizados os horários de pico quando circulam mais veículos para não haver aglomeração. Os veículos não podem circular com passageiros em pé (para não ter aglomeração) e sem a máscara (sendo que em todos os veículos tem adesivos informando sobre a obrigatoriedade das máscara de proteção individual). Portanto, se em um ônibus não tiver mais poltrona vazia e se ao passar por um ponto tiver um passageiro, o veículo não vai parar, ou seja, a pessoa vai continuar aguardando outro ônibus que tenha assento.

Além da queda brusca do número de usuários, a empresa ainda enfrenta a oferta do transporte por aplicativos, cujos motoristas tem abordado a população nos pontos de ônibus.

A Prefeitura conta com o serviço de sete fiscais que trabalham na prestação de serviços dos motoristas e na qualidade dos ônibus, sendo que eles não tem o poder para abordar os motoristas de aplicativos.

A população conta com dois telefones para entrar em contato com a empresa (31) 99876-1028 pode reclamar e o 0800-39-8846.

Com informações da Prefeitura de Varginha e Portal Varginha On line