MS: ANTT e Agetrat apreendem ônibus na BR-262 que fazia o trecho Campo Grande x Corumbá

MS: ANTT e Agetrat apreendem ônibus na BR-262 que fazia o trecho Campo Grande x Corumbá

22 de maio de 2020 0 Por Redação Revista do Ônibus

CAMPO GRANDE E CORUMBÁ – Um ônibus modelo Paradiso G7 1200 equipado com chassi Mercedes-Benz de uma empresa de ônibus que presta serviço ao aplicativo Buser, que fazia o trecho Campo Grande x Corumbá, acabou sendo apreendido na noite desta quinta-feira (21), quando trafegava pela BR-262 na altura do Posto de Fiscalização Lampião Aceso na Barreira Sanitária.

A ação contou com a presença da Coordenação de Fiscalização de Posturas, Agência Municipal e Trânsito – Agetrat, Agência Nacional de Transportes Terrestres – ANTT, Vigilância Sanitária, assim como o Exército Brasileiro.

No ônibus havia três passageiros, sendo dois adultos, um homem, uma mulher e uma criança. Na abordagem, os agentes encontraram com a mulher diversas mercadorias e uma quantia de US$ 7 mil, ou quase R$ 39 mil que não foram declarados. A mulher que não teve a sua identidade revelada acabou sendo encaminhada com a criança pelos militares até a Receita Federal.

O homem de natureza boliviana, acabou sendo encaminhado até a fronteira Brasil x Bolívia, entre as cidades de Corumbá e Puerto Quijarro e Puerto Suárez.

Foto: Divulgação -Diário Corumbaense

De acordo com a Agência Nacional de Transportes Terrestres – ANTT, o ônibus acabou apreendido e encaminhado ao pátio da Prefeitura. Ainda segundo o governo municipal, a apreensão ocorre devido o ônibus seguir transportando passageiros, o que está proibido desde 23 de março, pela Prefeitura, como uma das medidas de prevenção e combate ao coronavírus. A Rodoviária Intermunicipal também está fechada há quase dois meses. 

A Prefeitura de Corumbá informou que a empresa responsável pelo ônibus terá cinco dias para apresentar sua defesa formal.O nome da empresa, porém, não foi informado pela administração municipal.

Buser se manifesta sobre a situação

A Buser esclarecer que a empresa não possui um único ônibus, atuando tão somente na conexão entre empresas de transporte e passageiros. O veículo apreendido é de propriedade de uma empresa parceira que utiliza a marca da Buser como uma ferramenta de marketing voluntário.

Importante esclarecer, ainda, que na contramão das empresas convencionais de ônibus, a Buser decidiu suspender as operações antes mesmo das determinações das autoridades ao perceber que sua atuação poderia servir de vetor para a transmissão do novo coronavírus, levando-o das capitais para o interior. Não há, portanto, uma única viagem intermediada pela Buser em operação no país.

A Buser possui cerca de 100 empresas de ônibus parceiras, que oferecem seus serviços por meio da plataforma. Com mais de 2 milhões de usuários cadastrados e transportando cerca de 180 mil passageiros ao mês, para mais de 200 cidades, o impacto da operação poderia ser catastrófico, uma vez que todo esse conjunto de pessoas atuaria como potenciais vetores da COVID-19, num movimento crescente das grandes capitais para o interior.

Ciente do impacto que a paralisação nas operações causaria nas empresas parceiras, a startup criou um fundo de cerca de R$ 2 milhões para auxiliar no enfrentamento da crise econômica gerada pela epidemia.

A iniciativa vem garantindo a manutenção de centenas de empregos de motoristas e mecânicos, além de permitir fôlego para que as transportadoras tenham em caixa recursos para despesas urgentes. Informou a plataforma Buser Brasil.

Com informações da Agência Nacional de Transportes Terrestres, Prefeitura de Corumbá e Agência Municipal de Trânsito – Agetrat e Buser Brasil.