Rio registra 28 mortes de motoristas de ônibus pela Covid-19 e 134 rodoviários infectados pelo coronavírus

Rio registra 28 mortes de motoristas de ônibus pela Covid-19 e 134 rodoviários infectados pelo coronavírus

20 de maio de 2020 0 Por Redação Revista do Ônibus

RIO – O município do Rio registrou até esta terça-feira (19), 28 óbitos de rodoviários e 134 profissionais do transporte coletivo municipal infectados pela Covid-19, o número de funcionários das empresas de ônibus que estão sendo atingidos pela doença na cidade maravilhosa, assusta não só a categoria, mais também os passageiros.

De acordo com o Sindicato dos Motoristas de ônibus do Rio – SIntraturb Rio, a Comissão de Transportes da Assembleia Legislativa do Rio – ALERJ, recebeu um documento apontando o crescente número de óbitos e confirmação de Covid-19 entre os trabalhadores do transporte municipal do Rio de Janeiro.

Para o vice-presidente do sindicato que representa a categoria, José Carlos Sacramento, o aumento na contaminação dos profissionais da categoria, está ligado à obrigatoriedade das empresas em fazer com que eles trabalhem além das horas determinadas por lei. Isso também é ligado à redução do número de carros rodando nas ruas.

“Para se ter uma ideia, na Ilha do Governador as linhas 934 e 635 (circulares) estão com seu itinerário suspensos; as demais linhas também reduziram o número de carros devido ao coronavírus e suspenderam as linhas circulares de todos os bairros. Isso não acontece apenas naquele bairro”, disse.

O Presidente da Comissão de Transportes da Alerj, deputado Dionísio, informou que após a divulgação dos dados pelo Sindicato dos Motoristas de ônibus do Rio – SIntraturb Rio, encaminhou um documento para a Secretaria Municipal de Transportes, A Rio Ônibus e também ao Governo do Estado, solicitando que seja informado o número de máscaras que foram adquiridas e distribuídas aos profissionais do transporte.

Além disso, no documento, o parlamentar pede que se informe quantas e quais empresas foram contratadas para a realização de higienização nos ônibus urbanos da frota do Rio, se houve algum tipo de licitação, que tipo de produto segue sendo utilizado para desinfecção dos ônibus, bem como a cópia do contrato.

“É lamentável ver que profissionais que desempenham um papel tão importante no transporte da cidade, estejam sendo atingidos pela doença muitas vezes por falta de consciência e ganância das empresas, já que temos relatos de profissionais sendo obrigados a levarem passageiros além do determinado”, disse o deputado.

A Prefeitura do Rio, assim como o Governo do Estado e a Rio Ônibus ainda não se manifestaram até a publicação desta reportagem.

Com informações do Sindicato dos Motoristas de ônibus do Rio – SIntraturb Rio, a Comissão de Transportes da Assembleia Legislativa do Rio – ALERJ e O Dia