Porto Alegre: Rodoviários terão salários parcelados

Porto Alegre: Rodoviários terão salários parcelados

8 de maio de 2020 Off Por Redação Revista do Ônibus

PORTO ALEGRE – Em meio a crise do transporte por conta da pandemia do novo coronavírus, o empresariado de Porto Alegre, seguem tentando sobreviver e manter os empregos, mesmo com a baixa procura de passageiros, durante o isolamento social.

A Associação dos Transportadores de Passageiros de Porto Alegre – ATP informou, na quinta-feira (7), que oito das 11 empresas privadas de ônibus da Capital vão pagar de forma parcelada o salário dos rodoviários no mês de maio. A notícia segue abalando o setor de transporte, já que há chances de demissões em algumas empresas.

De acordo com a ATP, mais da metade dos funcionários já estão enquadrados na medida provisória do governo federal, que instituiu o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda, onde tanto a jornada de trabalho quanto o salário foram reduzidos. O governo paga um complemento para compensar parte da perda.

De acordo com a Prefeitura de Porto Alegre, com o fechamento do comércio e a o não funcionamento de muitas empresas, na tentativa de conter a proliferação do novo coronavírus – Covid19, houve uma queda de 70% no número de passageiros entre o dia 20 de março e o final do mês de abril.

Empresa Pública de Transporte e Trânsito – EPTC, vem divulgando mudanças na tabela de horários, nos últimos dias bem como a redução de linhas. Mesmo assim, se espera que o prejuízo seja de R$ 46 milhões.

De acordo com o engenheiro de transportes da ATP, Antônio Augusto Lovatto, sem uma ajuda financeira dos governos municipais, estadual e federal, não será possível manter a operação dos ônibus em Porto Alegre.

Sindicato dos Rodoviários se manifesta

O Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários de Porto Alegre (Stetpoa) se manifestou contrário ao parcelamento de salários.

Esta pauta está sofrendo da mais profunda desatenção do poder público e das empresas, que não vem adotando medidas que garantam a tranqüilidade dos trabalhadores, ainda que a população, empresários e o poder público admitam a essencialidade dos trabalhadores como prestadores de serviço inerentes ao funcionamento da cidade”, afirma a entidade.

O sindicato ainda acrescentou que pede um posicionamento da prefeitura de Porto Alegre. [Leia abaixo a nota na íntegra]

Nota do Stetpoa

Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários de Porto Alegre vem manifestar sua total contrariedade diante dos encaminhamentos feitos pelas empresas referentes ao parcelamento de salário dos trabalhadores rodoviários, fato ocorrido no mês de abril, ainda que, tenha sido de maneira parcial, ou seja, apenas em algumas empresas do transporte público de Porto Alegre.

A diretoria do STETPOA reforça, que, esta pauta está sofrendo da mais profunda desatenção do poder público e das empresas, que não vem adotando medidas que garantam a tranqüilidade dos trabalhadores, ainda que a população, empresários e o poder público admitam a essencialidade dos trabalhadores como prestadores de serviço inerentes ao funcionamento da cidade.

Com o agravamento da pandemia do Coronavirus – COVID19, a entidade de defesa dos trabalhadores mantém seu posicionamento de exigir a retratação dos organismos competentes, Prefeitura de Porto Alegre, EPTC e Sindicato Patronal, no intuito de avançar no debate que construirá a solução definitiva para a retomada da normalidade dos vencimentos salariais, já que o objeto mais grave do problema são as questões relacionadas à folha de pagamento dos trabalhadores.

Com informações da Prefeitura de Porto Alegre, Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários de Porto Alegre, Empresa Pública de Transporte e Trânsito – EPTC, RBS TV e Associação dos Transportadores de Passageiros de Porto Alegre – ATP