Recife: Rodoviários realizam protesto contra demissões e redução de salários

Recife: Rodoviários realizam protesto contra demissões e redução de salários

31 de março de 2020 Off Por Redação Revista do Ônibus

RECIFE – A manhã desta terça-feira (31), foi de protesto de rodoviários da empresa Transcol, que realizaram uma manifestação em frente à garagem da empresa de ônibus, localizada na BR-101, no bairro Guabiraba, na Zona Norte do Recife. O Sindicato dos Rodoviários do Recife, informou que a manifestação é contra as demissões e suspensão de salários de mais de 100 funcionários em diferentes empresas.

A expectativa é de que pelo menos 60% do quadro de profissionais do sistema percam os empregos ainda este mês.  A empresa Transcol opera 14 linhas na Região Metropolitana do Recife. A empresa Caxangá emitiu uma nota revelando que funcionários também seriam desligados. 

A Polícia Militar e a Polícia Rodoviária Federal acompanharam o ato. 

Ainda segundo a entidade que representa a categoria, a justificativa das empresas de ônibus é a baixa circulação de passageiros, por conta do isolamento social, imposto, para tentar conter a proliferação do novo coronavírus.

“As empresas de ônibus estão demitindo em massa a categoria. São trabalhadores sem direito a nada. Por isso, estamos parando os ônibus“, explicou o presidente do Sindicato dos Rodoviários, Aldo Lima.

O presidente do sindicato dos rodoviários, afirma que as demissões, seguem ocorrem nas empresas, Itamaracá, Globo, Pedrosa, Transcol e Vera Cruz. Ainda segundo Aldo Lima, ainda não há sinalização do governo para ajudar o setor do transporte de passageiros.

Já o Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros no Estado de Pernambuco (Urbana-PE) informou através de nota que “o Sistema de Transporte Público de Passageiros da Região Metropolitana do Recife (STPP/RMR) enfrenta um quadro de dificuldades sem precedentes em sua história”.

Ainda segundo o comunicado, a redução da demanda de transporte por ônibus por causa do isolamento contra o coronavírus “já passa de 75%”. Segundo a Urbana, a crise repercute diretamente na operação do serviço, “uma vez que o modelo de custeio atualmente adotado depende, quase que exclusivamente, da quantidade de passageiros transportados e da arrecadação tarifária”.

O Consórcio Grande Recife de Transportes, informou que segue acompanhando as medidas tomadas pelo setor privado e fará um “debate por uma solução”.

O texto diz que a Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh) e o Grande Recife Consórcio de Transportes tiveram conhecimento das demissões de profissionais do transporte público.

Ainda de acordo com a nota, representantes da Seduh e do Grande Recife receberão integrantes do Sindicato dos Rodoviários “para debater medidas que possam minimizar os cortes e construir alternativas para o setor”.

A aglomeração desobedece a ordem do Governo do Estado, que determina o afastamento entre as pessoas durante a pandemia do coronavírus. Questionado, o presidente informou que têm ciência, mas que defender seu direito “é questão de sobrevivência”.

Com informações do Governo do Estado de Pernambuco, Prefeitura do Recife, Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros no Estado de Pernambuco (Urbana-PE), Tv Globo e Sindicato dos Rodoviários do Recife