Vídeo: Ônibus do Rio de Janeiro podem parar nesta sexta-feira se empresas não tiverem apoio, afirma Rio Ônibus

Vídeo: Ônibus do Rio de Janeiro podem parar nesta sexta-feira se empresas não tiverem apoio, afirma Rio Ônibus

25 de março de 2020 Off Por Redação Revista do Ônibus

RIO – A cidade do Rio de Janeiro, poderá não ter ônibus circulando a partir desta sexta-feira (27), casos as empresas de ônibus que operam linhas municipais, não receberam apoio financeiro do poder público, como afirmou o presidente da RioÔnibus, Claudio Callak, nesta quarta-feira (25).

“Sem o apoio do poder público, as empresas de ônibus não têm mais como operar a partir desta sexta-feira (27). Nós cumprimos todas as determinações até então impostas pelo poder público. Atendemos a população, entretanto, a gente está entrando em um cenário de caos absoluto”, afirmou ele em um vídeo.

O Rio Ônibus informou que já adotou todas as medidas estipuladas pelo poder público e até se antecipou para tentar manter o emprego dos mais de 26 mil rodoviários e o transporte público por ônibus, neste momento tão difícil para todos. Porém, sem ajuda do poder concedente, as empresas de ônibus não têm mais condições de operar a partir dessa sexta-feira (27).

O setor de ônibus que está entrando em completo colapso total com o agravamento da crise por conta da pandemia do novo coronavírus, na última terça-feira (24) registrou queda da demanda de passageiros de 72,6%. Hoje a queda é ainda maior. Com o baixíssimo número de pessoas embarcando e sem nenhuma ajuda das autoridades, diferentemente de como acontece em São Paulo, as empresas não têm mais condições de manter a compra de combustível e os salários dos rodoviários.

“Sem apoio do poder público, assim como houve por exemplo em São Paulo, as empresas já não têm mais como arcar com seus compromissos básicos, como compra de óleo diesel e o pagamento da folha salarial de 26 mil famílias, que são nossos rodoviários”, completou.

Prefeitura do Rio se manifesta sobre a situação do transporte

O prefeito Marcelo Crivella, informou que se faz necessário ter compreensão nesse momento, e que nos próximos dias será feito uma audiência de conciliação no Tribunal de Justiça do Rio, com a presença de representantes do Consórcio BRT e do Ministério Público.

De acordo com Crivella, o Consórcio BRT Rio, solicita um reajuste na passagem de R$ 4,05 para R$ 4,25 para compensar uma defasagem no valor, mas nesse momento não é possível conceder o aumento.

Crivella disse ainda que a prefeitura já permitiu algumas concessões, como o fechamento do BRT durante a madrugada e de algumas estações e o cancelamento temporário de gratuidades para idosos e estudantes.

Callak ainda fez um apelo às autoridades para que haja prioridade na assistência à situação dos trabalhadores dos ônibus.

Com informações da Rio Ônibus