Passageiros do BRT Rio seguem relatando mais problemas nesta quarta-feira

Passageiros do BRT Rio seguem relatando mais problemas nesta quarta-feira

29 de janeiro de 2020 Off Por Redação Revista do Ônibus

RIO – A manhã desta quarta-feira (29), começou como outro dia qualquer na operação do BRT RIO, com problemas de atrasos, superlotação e ônibus circulando com sérios problemas no ar condicionado, causando desconforto aos passageiros que usam o serviço na cidade do Rio de Janeiro.

Nas principais redes sociais, os passageiros que pagam para se locomover entre os bairros da Zona Norte e Oeste do Rio de Janeiro, mostram suas indignações por um serviço que parece não melhorar nunca, como podemos ver abaixo.

Em nota o Consórcio BRT Rio informou que responderá apenas as ações de reclamações cujo possui número de ordem dos coletivos.

Em várias das reclamações exibidas no site não há o número de ordem dos veículos. Por isso, vamos responder às demandas que trazem essa informação. 
E86841C – já foi encaminhado para a garagem
E30504C – está na garagem
E30509C – será verificado
E47028C – também foi encaminhado para a garagem
E47011C – será verificado
E47028C –  O articulado apresentou problemas em um dos seus pneus nesta localidade durante a manhã. Um outro veículo foi enviado para fazer o transbordo de passageiros e a operação seguiu normal;

Em relação ao ar-condicionado, nós acrescentamos que o BRT Rio lamenta os problemas relatados. Ressaltamos, no entanto, que portas e alçapões não devem ser vandalizados para que o equipamento possa funcionar plenamente. Com portas e alçapões danificados e abertos, não é possível garantir 100% da climatização dos veículos. Lembramos ainda que a trepidação devido às péssimas condições das pistas exclusivas do BRT também afeta o equipamento.  

Destacamos ainda que as condições precárias das pistas levaram à degradação precoce da frota e geraram impactos no dia a dia dos passageiros. Veículos que deveriam durar 20 anos, duram apenas 5 no Rio. Buracos, rachaduras, depressões e calombos nas pistas comprometem equipamentos e mecânica dos articulados e afetam diretamente a operação do BRT, causando riscos de acidentes. Os problemas mais recorrentes são com pneus , rodas, suspensão dos veículos, caixa de marcha e o reservatório do óleo de motor. A conservação das pistas é de responsabilidade da Prefeitura do Rio. 

Procurada, a Prefeitura do Rio de Janeiro ainda não se manifestou sobre o assunto, mesmo questionada através do gabinete do prefeito, até a publicação desta reportagem.