AM: Viagem entre Manaus e Humaitá pela BR-319 segue na lama

AM: Viagem entre Manaus e Humaitá pela BR-319 segue na lama

22 de janeiro de 2020 Off Por Redação Revista do Ônibus

MANAUS – Em meio ao atual cenário em que o Governo Federal visa ampliar e melhorar o setor de transportes, moradores que precisam utilizar o transporte rodoviário entre as cidades de Manaus e Humaitá, pela BR-319, vivem um dilema quase que eterno. Há décadas, o trecho sofre com a lama em dias de chuva e a poeira intensa em dias de sol.

Foto: Reprodução de Redes Sociais

Trabalhadores das empresas de ônibus, precisam realizar manobras para evitar os diversos atoleiros ao longo da rodovia federal. Quando os ônibus, acabam atolando, tratores são utilizados para remover os coletivos e tentar seguir a viagem no desconforto do trecho.

Em redes sociais, empresários e passageiros, seguem divulgando a dificuldade do dia a dia, como podemos ver nas imagens divulgadas pela empresa Siqueira Tur, veiculada neste mês de janeiro de 2020.

Obras da BR-319 só serão concluídas em 2021 afirma Presidente Jair Bolsonaro

Licenciamento Ambiental

De acordo com o ministro Tarcísio Gomes, até a retomada, serão feitos os ajustes para o licenciamento ambiental. A BR 319 tem 885 quilômetros, sendo 820 do lado do Amazonas e 65 do lado de Rondônia. Desse total, faltam ser recuperados e asfaltados aproximadamente 450 quilômetros.

A licitação para a obra foi lançada no último dia 8. O DNIT publicou edital de licitação para contratar empresa que vai elaborarmos projeto básico e executivo para a recuperação e pavimentação do chamado trecho do meio.

Foto: Reprodução de Redes Sociais

Dnit se manifesta sobre a BR-319

Procurado pela Revista do Ônibus, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes, informou que no Amazonas, a grande notícia de 2019 foi o lançamento, por meio do DNIT, do edital de licitação para contratação da empresa que vai elaborar o projeto básico e executivo para pavimentação e melhoramentos do chamado “Trecho do Meio” da BR-319/AM. Este é mais um passo para garantir o asfaltamento deste trecho não pavimentado da rodovia federal, única ligação rodoviária entre Manaus e Porto Velho, capital de Rondônia.

O edital contempla a pavimentação deste segmento da BR-319/AM, como também melhoramentos, incluindo obras de arte especiais, que são pontes rodoviárias. O trecho fica localizado entre o km 250 e o km 656.

O DNIT, objetivando não só a obtenção do Licenciamento Ambiental para a pavimentação do “Trecho do Meio”, mas também a execução das obras e serviços dentro dos padrões ambientais exigidos pelo IBAMA, por ocasião da execução dos serviços de manutenção rodoviária possui contratos de recuperação do passivo ambiental e supervisão ambiental.

A Secretaria de Governo da Presidência da República, que agora monitora o empreendimento de forma oficial, elaborou o cronograma do licenciamento ambiental, visando a obtenção das licenças prévia e de instalação do empreendimento.

No entanto, o cumprimento do cronograma não depende apenas do DNIT e das empresas contratadas para a elaboração de estudos ambientais complementares e dos estudos do componente indígena. A participação dos órgãos ambientais, como IBAMA, ICMBio e FUNAI é fundamental.
Mas não é só isso. O DNIT também realiza, ao longo dos outros trechos BR-319/AM, serviços de manutenção (conservação/recuperação). Já a construção da ponte sobre o Rio Atíi, no km 237,10, encontra-se em fase final de execução. O objetivo é substituir a ponte de madeira, proporcionando, assim, o deslocamento mais seguro de pessoas e veículos. A previsão para a entrega da obra é em dezembro.


O Lote “C” da BR-319/AM, segmento do km 198,20 ao km 250, encontra-se em fase de elaboração do anteprojeto de engenharia, visando à realização da licitação para a contratação de empresa para a elaboração de projetos básico e executivo, bem como para a execução das obras de implantação, pavimentação e melhoramentos da rodovia.

A BR-319 é fundamental para o escoamento de produtos agropecuários da região bem como da produção industrial da Zona Franca de Manaus, além de garantir o transporte de pessoas. As alternativas à rodovia são o transporte aéreo ou por barco, uma viagem que dura quase uma semana. São quase 800 quilômetros de extensão entre Porto Velho e Manaus, sendo que os segmentos localizados próximos às capitais estão asfaltados, totalizando quase 400 quilômetros.

Com informações do DNIT