Passageiro embarca com moto dentro de ônibus do BRT Rio

Passageiro embarca com moto dentro de ônibus do BRT Rio

24 de dezembro de 2019 Off Por revistadoonibus

RIO – Já não é de hoje, que o sistema BRT Rio é notícia pelo fato de transportar diversas coisas foram do comum em qualquer outra cidade do Brasil. Depois de vermos, freezers, caixa de água com bebidas e até fornos elétricos, serem transportados pelos ônibus articulados do Consórcio BRT Rio, agora uma moto foi vista sendo transportada em um ônibus no corredor Trans Carioca. Acena foi vista em um ônibus da linha 42 – Divina Providência x Fundão – Parador, na última segunda-feira (23).

Foto: Reprodução de Redes Sociais

O passageiro que não teve a sua identidade revelada, levava uma mota dentro do ônibus articulado, chamando atenção de todos os passageiros.

Em nota, o BRT afirmou que, possivelmente, o passageiro não pagou a passagem e que depende, além do poder público para coibir transgressões, delitos e crimes, do entendimento dos passageiros sobre “coletividade e respeito ao próximo”.

“Esclarecemos que grandes volumes são proibidos para garantir o bem-estar e a segurança de todos.

Os controladores de estação são treinados para orientar os passageiros sobre as regras de boa convivência e bom senso e, caso haja insistência, acionamos as forças de segurança.

Em horários de menor movimento abrimos exceções para bicicleta dobrável, prancha de surf com capa e animais de até 10kg em suas caixas, por exemplo.

O que não é o caso da imagem e nos leva a acreditar que o passageiro deve ter usado a prática conhecida como “calote”. A fiscalização, prevista na Lei 6.299, cabe à Guarda Municipal do Rio, com a aplicação de multa a quem não pagar a passagem.

Ressaltamos ainda que as ações dos controladores de estação do Consórcio BRT são de caráter de orientação aos passageiros para as operações do sistema. Ou seja, eles não têm poder de polícia.

Coibir transgressões, delitos e crimes de qualquer natureza é atribuição e competência do poder público. Mas, para nós, é muito importante que o cumprimento à lei não dependa apenas de fiscalização da Guarda Municipal, mas do entendimento dos passageiros sobre coletividade e respeito ao próximo.”

A Guarda Municipal ainda não se manifestou sobre o assunto.

Com informações da Prefeitura do Rio e Consórcio BRT Rio