Queda de Evo Moraes tem ônibus incendiados e atos violentos na Bolívia

Queda de Evo Moraes tem ônibus incendiados e atos violentos na Bolívia

11 de novembro de 2019 Off Por revistadoonibus

LA PAZ – A Bolívia vive clima de tensão e violência nos últimos dias. Desde domingo quando Evo Morales renunciou à Presidência da Bolívia, o país, vive um clima de incerteza. Na noite deste domingo (10), ao menos 33 ônibus foram incendiados, prejudicando o transporte público.

As ruas de El Alto, parte da região metropolitana de La Paz que abriga quase 1 milhão de habitantes, pareciam um cenário de pós-batalha na manhã desta segunda-feira (11), um dia após Evo Morales renunciar à Presidência da Bolívia. 

Um vídeo mostra sua casa após o saque, uma residência sem ostentação, e o que se vê são objetos pessoais do ex-presidente espalhados pelo chão e destruídos, como se ali tivesse passado um bando de ladrões. Em La Paz, a sede do governo também foi atacada e saqueado. 

O jornal argentino Clarín informou que Evo Morales viajou para a Argentina, onde o presidente eleito Alberto Fernández toma posse dentro de um mês. O presidente Mauricio Macri negou, na manhã desta segunda-feira (11) que teria oferecido asilo político ao ex-presidente boliviano. A Federação dos Conselhos de Bairro de El Alto informou que haverá resistência e deu 48 horas para os golpistas deixarem La Paz. 

Ainda não temos informações como está a situação do transporte público de La Paz. As empresas de ônibus que operam linhas ligando outras cidades até La paz, estão com o serviço comprometido, após a onda de ataques na região metropolitana da capital boliviana.

As instruções da federação são as formações de comitês de autodefesa para todo país, bloqueios e mobilização permanente.

Houve queima de carros e ônibus durante a noite. Numa garagem em Chasquipampa, por exemplo, 33 ônibus foram queimados e depredados.

Nas ruas, havia táxis e carros abandonados após serem atacados por pedras, alguns parcialmente queimados.

Por volta das 9h (10h no horário de Brasília), moradores começaram a sair para acender novamente as fogueiras, apesar da dificuldade de mantê-las acesas por conta da chuva. 

Ao redor delas, pessoas se reuniam e conversavam, trocando informações que receberam de parentes ou amigos em outras partes da cidade e do país.

A desinformação reina. Nas TVs, os noticiários quase não falam do terror que os habitantes da cidade contam.

Foto: Reprodução de Rede Sociais

O Pagina Siete, principal jornal da oposição, não circulou nesta segunda e deixou um aviso dizendo que daria dia livre para que seus jornalistas se protegessem em casa de possíveis ameaças. 

Trata-se de uma publicação crítica ao governo e que teme ataques de apoiadores de Evo.

Nos aeroportos de Santa Cruz e de El Alto, muitos tiveram que esperar por horas o remanejamento de voos ou a liberação de vias para seguirem aos seus destinos.

Com informações de Agência Internacionais