Delator da Lava-Jato é eleito novo presidente executivo do Consórcio BRT Rio

Delator da Lava-Jato é eleito novo presidente executivo do Consórcio BRT Rio

28 de agosto de 2019 Off Por revistadoonibus

RIO – O ex-executivo da construtora Camargo Corrêa e delator da Operação Lava-Jato, o engenheiro civil Luiz Carlos Martins, acaba de ser eleito o novo presidente executivo do Consórcio BRT Rio. A votação reuniu os representantes das empresas de ônibus que formam o consórcio do BRT.

De acordo com reportagem do Jornal O Globo, Martins seria uma indicação direta de Jorge Dias, ex-presidente do BRT Rio, que é amigo próximo do ex-delator da Lava-Jato. Na construtora Camargo Corrêa, Luiz Carlos Martins trabalhou por quase 20 anos, em projetos importantes na área de energia em diversas partes do Brasil.

Em 2015, após acordo de leniência da construtora com o Ministério Público Federal, se tornou delator da Lava-Jato. Em sua participação na operação, Martins disse que participou da negociação do pagamento de propina ao MDB.

“Contratei uma empresa de São Paulo para fazer um contrato fictício para que fosse feito um pagamento, e foi feito no final de 2011. Essa empresa fez chegar ao Maranhão, a um secretário do Governo do Maranhão, um contrato de R$ 1,22 milhão”, afirmou o engenheiro em depoimento para a Justiça Federal.

O engenheiro não deve assumir agora o comando do Consórcio BRT Rio, já que é preciso ainda homologar a formação da nova diretoria. Atualmente, o consórcio está sendo presidido interinamente por Cláudio Callack, que também comanda a Rio Ônibus.

Em nota, o BRT confirmou Luiz Carlos Martins como novo presidente-executivo do BRT Rio. O consórcio disse que: “Após diversas análises e buscas no mercado corporativo, foram selecionados três nomes, dentre os quais o de Luiz Carlos, que foi escolhido pelo conselho da empresa devido à sua longa experiência em gestão”.

Até o início da tarde desta quarta-feira (26), Luiz Carlos Martins ainda não foi localizado para comentar o novo cargo junto ao Consórcio BRT Rio.

Empresários de ônibus do Rio foragidos da Lava-Jato

A Lava Jato do Rio busca prender um pequeno grupo de empresários e doleiros acusados de crimes como lavagem de dinheiro, evasão de divisas e contra o sistema financeiro.

Dos 17 investigados que desapareceram de cena, passando à condição de foragidos, a força-tarefa tenta prender ainda seis alvos, entre eles Arthur Soares, o Rei Arthur, e José Carlos Lavouras, ex-presidente da Fetranspor.

Enquanto Rei Arthur, empresário que o governo americano reconheceu estar em seu território, negocia sua delação premiada, Lavouras está refugiado em Portugal.

Foto: Reprodução de TV

Longe do Rio de Janeiro, o empresário José Carlos Lavouras, que está foragido da Operação Lava-Jato, segue vivendo sua vida de luxo em Portugal, como já mostrou a TV Globo, em uma reportagem do programa Fantástico em março deste ano.

Lavouras chegou a ser preso em Portugal devido a uma ordem do Juiz Marcelo Bretas em 2017, porém, acabou liberado depois e o judiciário português decidir em não extraditá-lo.

Lavouras possui dupla cidadania, brasileira e portuguesa. Na época uma equipe do “Fantástico”, da TV Globo, na cidade do Porto, abordou o empresário, porém, ele preferiu se calar.

Junto de Jacob Barata Filho, Lavouras comandou o Conselho da Fetranspor durante três décadas, e foi apontado pelo doleiro e delator Álvaro José Novis como o responsável pela articulação do pagamento de propinas a autoridades do Estado do Rio. Conforme as investigações do Ministério Público Federal, ele organizou uma caixinha para recolher propinas de empresários para políticos. O próprio Lavouras teria embolsado R$ 40 milhões.

Na cidade do Porto, Lavouras vive em um apartamento registrado em nome de sua mãe, na região da Boavista, uma área nobre da cidade. O imóvel de R$ 3,5 milhões possui quatro quartos. Para se deslocar pela cidade, usa carros de luxo com motorista. O mais caro custa o equivalente a R$ 300 mil.

Com informações do O Globo e Agências