Segue indefinida a votação sobre a isenção do ISS para empresas de ônibus de Salvador

Segue indefinida a votação sobre a isenção do ISS para empresas de ônibus de Salvador

7 de agosto de 2019 Off Por Redação Revista do Ônibus

SALVADOR – A Câmara Municipal de Salvador (CMS) promoveu, na tarde desta terça-feira (6), um debate sobre o Projeto de Lei nº 133/19, que isenta o Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS) e a Taxa de Regulação e Controle e Fiscalização (TRCF) para as empresas de ônibus que circulam no Município. O evento, que lotou o auditório do Centro de Cultura, foi mediado pelo presidente da Casa, vereador Geraldo Júnior (SD).
O debate reuniu as promotoras de Justiça Rita Tourinho e Patrícia Medrado, que integram o Grupo Especial de Defesa do Patrimônio Público e da Moralidade Administrativa (GEPAM) do Ministério Público Estadual (MP-BA); o secretário municipal de Mobilidade, Fábio Mota; e o presidente da Agência Reguladora e Fiscalizadora dos Serviços Públicos de Salvador (Arsal), Almir Melo. Também integraram a mesa os vereadores Edvaldo Brito (PSD), Duda Sanches (DEM) e Joceval Rodrigues (Cidadania).

Em tramitação na Casa, a matéria está prevista para ser votada nos próximos dias, conforme Geraldo Júnior. Entretanto, o chefe do Legislativo ressaltou que a apreciação ocorrerá mediante entendimento dos 43 vereadores, já que, para ser aprovada, carece de 29 votos.

Votação

O presidente também condenou a intenção do Executivo de atribuir à CMS o aumento da tarifa, de R$ 4 para R$ 4,12, caso a isenção não seja apreciada no prazo de 120 dias estabelecido pelo MP por meio de Termo de Ajustamento de Conduta (TAC). “Se depender da Câmara, não haverá aumento da tarifa de ônibus em Salvador”, garantiu, salientando que se houver entendimento, o PL pode ser votado nesta quarta-feira (7). Antes, comissões temáticas devem analisar a inclusão de emendas. 

“Este prazo é referente à entrada do projeto na Casa, que seria um prazo razoável para a questão da discussão. Se não for apreciado neste prazo, este TAC pode ser rediscutido”, declarou Rita Tourinho, ressaltando não ter nenhum cabimento o aumento da tarifa. 

Na oportunidade, Geraldo ressaltou que considera o MP isento do processo de concessão simples, sendo esta responsabilidade do Executivo e das empresas que administram o sistema.

Idosos, estudantes e passe livre

O debate contou com a presença de diversos vereadores, vereadoras, lideranças comunitárias e estudantes de escolas públicas. Presente na discussão, o presidente da Comissão de Transportes e Serviços Municipais, Hélio Ferreira (PCdoB) cobrou contrapartidas voltadas para a sociedade civil. “Precisamos garantir políticas que concedam está isenção também para estudantes e aposentados”, defendeu. 

Com a mesma defesa, o estudante Augusto Mateus, coordenador da Associação Metropolitana de Estudantes Secundaristas de Salvador (Ames Salvador) reivindicou passe livre. “Muitos estudantes não conseguem estudar porque não ter condições de pagar transporte”, afirmou.
“Sou estudante, quero estudar e a Prefeitura não quer deixar”, cantou um grupo de estudantes no auditório, com cartazes que exigiam “passe livre já”.

A promotora Patrícia Medrado chamou atenção para a necessidade de acordo para sanar o problema social da imobilidade: “São pessoas sem condições de pagar pelo serviço de transporte para acessar outros serviços, como ir ao médico, à escola e até buscar emprego”
Procurador do Município, Francisco Bertino rechaçou ilegalidade no processo que firmou o contrato com as concessionárias, enaltecendo o trabalho sério desenvolvido pela Procuradoria.

Com informações da Câmara Municipal de Salvador