Governo acaba com a DFTrans e bilhetagem eletrônica fica com Banco de Brasília

Governo acaba com a DFTrans e bilhetagem eletrônica fica com Banco de Brasília

22 de julho de 2019 Off Por revistadoonibus

BRASÍLIA – O governador do Distrito Federal Ibaneis Rocha (MDB) sancionou uma lei  extinguindo o Transporte Urbano do Distrito Federal (DFTrans) e transferiu parte das atribuições do órgão para a Secretaria e Mobilidade (Semob) e o Banco de Brasília (BRB). As mudanças foram publicadas no Diário Oficial nesta segunda-feira (22).

Com as novas regras, o BRB assume a responsabilidade pela comercialização e pelo processamento dos créditos do Sistema de Bilhetagem Automática. Dessa forma, o banco passa a administrar os processos de recarrega dos cartões de integração.

Divulgação – Agência Brasília

Já a Semob ficará responsável por medidas como o planejamento e coordenação do transporte público na capital, além da política tarifária e a emissão de cartões, como o do Passe Livre. Os servidores e o orçamento do DFTrans também serão absorvidos pela pasta.

Além disso, a secretaria terá de fiscalizar a qualidade da oferta dos serviços de transporte, prevenir as ações ilegais e gerir acordos e contratos firmados pelo órgão anterior, segundo o novo regulamento.

O projeto de extinção do DFTrans foi apresentado pelo Executivo à Câmara Legislativa do DF. A proposta foi protocolada na Casa pouco mais de um mês depois que o governador Ibaneis Rocha chamou o órgão de “central de corrupção”.

“Acabou a bilhetagem, eu vou acabar com o DFTrans porque é um órgão que só tem dado trabalho para a população, desrespeito à população e é um órgão central de corrupção”, afirmou à época.

Órgãos investigados

Tanto o DFTrans como o BRB são alvos de investigações da polícia por suspeitas de fraudes. Em março desse ano, 17 pessoas investigadas na operação Circus Maximus – que apura crimes cometidos por dirigentes do banco – foram tornadas rés na Justiça Federal.

A operação investiga um esquema de pagamento de propinas a diretores e ex-diretores do BRB em troca de investimentos em projetos como o do extinto Trump Hotel, no Rio de Janeiro, atualmente LSH Lifestyle. De acordo com os investigadores, uma organização criminosa atuava no banco desde 2014.

Segundo a denúncia, o esquema gerou um prejuízo de aproximadamente R$ 348 milhões ao BRB, participantes de fundos de pensão e regimes de previdência, poupadores e ao sistema financeiro nacional.

Já em março do ano passado, 45 pessoas foram detidas acusadas de fraudes no DFTrans. De acordo com a polícia, os desvios somaram mais de R$ 1 bilhão.

Um dos presos era Harumy Tomonori Honda que, à época, atuava como diretor do controle de bilhetagem automática do órgão. O ex-diretor do órgão Léo Carlos Cruz também foi alvo de mandado de busca e apreensão. Após a operação policial, ele foi exonerado do cargo.

Com informações da Agência Brasília e Tv Globo