MG: Nova empresa de ônibus de Passos segue com problemas no embarque de cadeirantes

MG: Nova empresa de ônibus de Passos segue com problemas no embarque de cadeirantes

19 de julho de 2019 Off Por Redação Revista do Ônibus

PASSOS – Após mudar o transporte de ônibus na cidade de Passos, no interior de Minas Gerais, quando a cidade ficou 13 dias sem a circulação de ônibus, os problemas para os passageiros cadeirantes, seguem sem solução aparente, como mostra uma reportagem da TV Tem nesta sexta-feira (19). A falta de espaço nos ônibus que só podem transportar um cadeirante de cada vez, e problemas nos elevadores dos coletivos são os problemas de acessibilidade enfrentados por quem mais precisa do transporte urbano na região.

Foto: Cacá Trovó/EPTV

Os deficientes reclamam das mudanças e pedem a volta do transporte domiciliar para cadeirantes, serviço que era oferecido pela empresa anterior.

Em alguns casos o ônibus é preciso manobrar para que o elevador fique no mesmo nível do asfalto e facilite o embarque.

Uma das exigências da prefeitura para a nova empresa, que assumiu o transporte em caráter emergencial após 13 dias sem transporte público na cidade, era que todos os ônibus tivessem os elevadores para o transporte de pessoas com deficiência física.

De fato, todos os veículos têm esse dispositivo. Mas os cadeirantes que têm algum tipo de necessidade específica precisam de um modelo de transporte diferente.

Foto: Cacá Trovó/EPTV

“Acontece que o transporte coletivo que está circulando agora só transporta uma cadeira de rodas por vez. E a gente está reivindicando o transporte domiciliar ou um transporte que ajude o cadeirante. Antes, o que a gente tinha transportava sete cadeiras de rodas em cada micro-ônibus”, conta o aposentado Paulo César da Silva.

Segundo a presidente da Associação Reintegrar, que representa os deficientes físicos da cidade, o transporte domiciliar é o modelo que atende os cadeirantes de forma adequada. O serviço existia antes da crise no transporte público da cidade começar.

“Tinha direito do transporte domiciliar, cabiam quatro cadeirantes, e ainda tinha um detalhe, tinha o nosso acompanhante. É lei e tem que ser cumprida por todas as empresas”, explica Imaculada Conceição da Silva.

Soluções

A expectativa é que o prefeito envie um projeto de lei para a Câmara de Vereadores para instituir oficialmente o transporte domiciliar. “A gente vai cobrar, inclusive já informações que talvez chegue do executivo para regularizar essa situação. Chegando lá, a gente vai ter a máxima rapidez possível para votar e regularizar isso para os cadeirantes”, explicou o vereador Erick Silveira (MDB).

O prefeito de Passos, Carlos Renato Lima Reis (PSD), informou que a nova empresa de transporte público tem elevadores para os cadeirantes e espaço destinado a eles nos 15 veículos da frota. E que a prefeitura tem trabalhado na implantação do transporte exclusivo para os deficientes físicos.

Carlos ressaltou que o cadeirante e o acompanhante são isentos do pagamento da tarifa de transporte coletivo.

Com informações da Prefeitura de Passos, Associação Reintegrar e EPTV