Buser oferece passagem de ida de graça

Buser oferece passagem de ida de graça

4 de julho de 2019 Off Por revistadoonibus

SÃO PAULO – Para conquistar ainda mais passageiros de ônibus, a Buser, conhecido como o App do ônibus, divulga uma nova promoção em suas redes sociais. Agora, o passageiro não paga a passagem de ida, comprando pelo aplicativo. Mas, é preciso estar atento ao regulamento da promoção.

Para ter direito a passagem gratuita, é preciso fazer a reserva de ida e volta. A promoção é destinada para quem nunca realizou viagens com a Buser, como mostra o regulamento abaixo.

Regras da promoção de primeira viagem

  • Ao reservar ida e volta, a viagem com menor valor será grátis.
  • Cada conta tem direito a uma viagem realizada com a promoção:
    • Se o CPF do buseiro já tiver viajado em outra conta com essa promoção, ele não terá direito novamente.Se você reservar para 2 buseiros, apenas 1 terá direito à promoção.
  • Para essa promoção o pagamento não pode ser feito utilizando Buedas.
  • A promoção é válida apenas para buseiros que nunca realizaram uma reserva válida antes de 01/07/2019 12:00 (Horário de Brasília).
  • Apenas buseiros com CPF têm direito à promoção.
  • O cancelamento da reserva de ida ou de volta dá a oportunidade de realizar uma nova reserva com a promoção, enquanto ela tiver vigente.
  • A promoção é válida apenas para determinados grupos, com reservas limitadas, e enquanto durar o estoque. Consulte os grupos com promoção.
  • A realização da viagem depende da confirmação do grupo. Acompanhe o status pela sua tela de viagens.

Com compra
http://bit.ly/promoprimeiragratis

AGU diz que é descabida ADPF contra aplicativo de fretamento de ônibus Buser

A Advocacia-Geral da União considerou descabida a arguição de descumprimento de preceito fundamental que tenta reverter decisões de primeira e segunda instância que autorizaram a atuação de aplicativos de fretamento colaborativo de ônibus, como o Buser.

Segundo a AGU, a ação não indica os atos do Poder Público que verdadeiramente pretendia impugnar, pedindo de forma genérica a extensão do seu pedido a todo e qualquer processo ou decisão judicial que guarde relação com a matéria.

“A esse respeito, a jurisprudência dessa Corte Suprema exige a indicação, de forma precisa e delimitada, dos atos do Poder Público questionados em sede de arguição de descumprimento, sob pena de inépcia da petição inicial”, diz o órgão.

Foto: Divulgação

Além disso, a AGU afirma que a ação proposta pela pela Associação Brasileira das Empresas de Transporte Terrestre de Passageiros (Abrati) também não possui natureza constitucional, o que também impede o prosseguimento da arguição.

“A ausência de controvérsia constitucional tem motivado a extinção de diversas arguições de descumprimento de preceito fundamental que, à semelhança do caso sob exame, versavam sobre questões de natureza infraconstitucional”, explica a AGU.

No mérito, o órgão também considera a ADPF sem razão pois trata-se de questão infraconstitucional. Segundo a AGU, o único exemplo citado na petição inicial é o do aplicativo Buser. Nesse caso, explica, se a empresa realmente estiver prestando serviço de transporte público de maneira irregular, tal situação não caracterizara a ocorrência de afronta direta ao texto constitucional, nem poderia ser objeto de arguição de descumprimento de preceito, como informa o site Consultor Jurídico.

Foto: Divulgação

ANTT emite nota sobre o aplicativo Buser

No final do mês de Maio, a ANTT, que é responsável pela fiscalização das viagens de ônibus entre os estados emitiu um comunicado a imprensa.

Diante de matérias que circulam pela imprensa sobre o aplicativo Buser, a ANTT esclarece que, enquanto Agência Reguladora, prioriza as ações fiscalizatórias nas empresas prestadoras de serviço de transporte rodoviário de passageiros e não diretamente nos aplicativos de transporte.

A atribuição estabelecida em lei é clara para que a ANTT regule e fiscalize o serviço de transporte interestadual, semiurbano e internacional de passageiros, regular ou de fretamento, prestado pelas empresas do setor.

As ações da equipe de fiscalização alcançam as empresas de transporte com o objetivo de verificar a regularidade em relação às resoluções estabelecidas pela Agência e para garantir a segurança dos passageiros que se deslocam dentro do Brasil e daqui para países vizinhos.

Para realizar transporte de passageiros na modalidade de fretamento, as empresas devem cumprir o que a Resolução da ANTT nº 4.777/2015 estabelece.

Por sua vez, para o transporte regular de passageiros, as empresas deverão seguir o que determina a Resolução ANTT nº 4.770/2015.

Cabe enfatizar que a Agência não estabelece nenhum tipo de relação direta com a Buser, nem no aspecto regulatório nem fiscalizatório.

Por fim, reiteramos que a ANTT tem o objetivo de garantir que o transporte rodoviário de passageiros ocorra dentro de padrões de segurança, conforto e higiene e participa de discussões junto aos órgãos formuladores de políticas públicas, como o Ministério da Infraestrutura, no intuito de otimizar cada vez mais o transporte rodoviário de passageiros.