Buser briga no STF para manter viagens promocionais

Buser briga no STF para manter viagens promocionais

12 de abril de 2019 Off Por Redação Revista do Ônibus

A briga entre a Buser, considerada a Uber dos ônibus no Brasil e as empresas de ônibus, parece estar longe do fim. No final do mês de março, a Buser passou fazer uma campanha bastante agressiva pelas redes sociais, oferecendo passagens no trecho Rio x Belo Horizonte x Rio por apenas R$ 10.

Após a repercussão da oferta, o Departamento de Edificações e Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DEER/MG) divulgou nota informando que a plataforma estaria proibida de operar no estado.

Em meio há essas e outras proibições, a Buser, apresenta hoje ao STF seus argumentos contra o pedido de proibição de suas atividades, feito pela Associação Brasileira das Empresas de Transporte Terrestre de Passageiros (Abrati), que representa empresas de transporte de passageiros. A entidade reafirma que a Buser não deve funcionar porque não teria concessão do poder público.

A defesa da Buser alega não ser uma empresa de ônibus, uma vez que nem sequer possui veículos. O serviço, comparam os advogados, é como o do Uber, 99Pop, iFood ou Airbnb: eles intermedeiam o contato entre pessoas que querem fazer uma mesma viagem com outras que desejam fretar ônibus.

E dizem que a Buser só aceita ônibus que têm autorização e vistoria da ANTT e oferecem seguro para os passageiros.

Os preços das viagens pela Buser chegam a ser até 60% mais baratos do que os de viações tradicionais.