CPI dos Ônibus segue fiscalizando garagens em Juiz de Fora

CPI dos Ônibus segue fiscalizando garagens em Juiz de Fora

4 de abril de 2019 Off Por Redação Revista do Ônibus

Vereadores integrantes da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Ônibus da Câmara de Juiz de Fora e representantes da Secretaria de Transporte e Trânsito (Settra) estiveram em garagens de três empresas nesta quinta-feira (4).

Na madrugada de quarta, vereadores da CPI dos Ônibus estiveram na garagem da GIL. Astransp afirmou que ação ocasionou atraso na saída de veículos.

Segundo os vereadores, José Márcio Garotinho (PV) e Sargento Mello (PTB), a ação ocorreu nas garagens da Auto Nossa Senhora Aparecida Limitada (Ansal), no Bairro Bandeirantes; do Transporte Urbano São Miguel (Tusmil) no São Pedro e da Viação São Francisco, no Nova Era.

Sem especificar em qual garagem, os integrantes da CPI relataram ter verificado uso de pneu dianteiro rechapado em um veículo, falhas na limpeza e a falta de assentos acolchoados em outros carros. Segundo eles, não houve impacto na saída dos coletivos para cumprir as rotas.

De acordo com a assessoria da Astransp, a Tusmil possui 155 carros que atendem em 78 linhas e a os 70 carros da São Francisco atendem 22 linhas.

Posicionamentos

Settra

Em nota, a Settra informou que os consórcios serão penalizados por todas as irregularidades identificadas. “Vale ressaltar que, desde o mês passado a Settra está realizando a vistoria anual do transporte coletivo e verificando as exigências do edital”.

Astransp

A Associação Profissional das Empresas de Transporte de Passageiros (Astransp) se manifestou pelas empresas Tusmil e São Francisco, vistoriadas nesta quinta e GIL, fiscalizada na quarta. Em nota, “reitera o protesto pela diferença com que a empresa Goretti Irmãos Ltda foi tratada ontem (quarta). Hoje, o relato das outras empresas foi de que a abordagem foi o que se pode esperar numa ação de fiscalização em caráter extraordinário, sem presença de policiais, sem intimidação de funcionários e com orientação do poder fiscalizador, através de agente da Settra”, diz o texto.