SP: Basílica de Aparecida tem movimento intenso de romeiros e ônibus neste domingo

SP: Basílica de Aparecida tem movimento intenso de romeiros e ônibus neste domingo

31 de março de 2019 Off Por revistadoonibus

APARECIDA – Pelo 16º ano, escoteiros de todo o Brasil se reúnem no Santuário Nacional para a tradicional Romaria Escoteira. Cerca de dois mil praticantes do escotismo, entre crianças, jovens e adultos, são aguardados no próximo domingo (31), para as atividades da peregrinação. A expectativa é de que quase 100 Unidades Escoteiras Locais (UELs), de diversos municípios do país, participem do encontro, que acontece anualmente no maior templo mariano do mundo.

A programação conta com a missa, às 8h, no interior da Basílica de Aparecida. Logo após, os escoteiros seguem para a Tribuna Papa Bento XVI, no exterior da Basílica, para realizar o Grande Jogo, nome dado a uma atividade típica entre os escoteiros, realizada para homenagear a Padroeira do Brasil.

Trata-se de um grande caracol, realizado na Esplanada São João Paulo II. A partir de um sinal dado por um dos integrantes, os escoteiros dão as mãos em um grande círculo, que se aperta até todos estarem juntos, com o chefe ao centro. Neste momento, o último escoteiro da fila realiza o caminho inverso, puxando os demais escoteiros até desmancharem o caracol.

O momento conta também com homenagens e premiações. Neste ano, o grupo que vier de mais longe receberá um troféu. A premiação também será concedida para a Unidade que trouxer o maior número de peregrinos. Além disso, outras condecorações serão oferecidas pelas UELs.

Encerrando o encontro, a Imagem Peregrina, que há quinze anos acompanha grupos de escoteiros de todo o país, será sorteada para uma nova Unidade. Ela ficará responsável por cuidar da Imagem até a próxima Romaria Escoteira, que acontece em 2020. Em 2018, o grupo de Pinhalzinho (SP) foi contemplado com a visita.

Escotismo e catolicismo: uma antiga união – A relação entre o escotismo e a Igreja Católica remonta aos primeiros anos do movimento. Junto a Robert Baden-Powell, o padre jesuíta Jacques Servin é considerado cofundador do escotismo. O religioso reescreveu a Lei e a Promessa Escoteira, introduzindo nela vertentes espirituais. Além disso, culminou na fundação dos Scouts de France, escoteiros católicos franceses ligados a World Organization of the Scout Movement (WOSM), em português, OMME (Organização Mundial do Movimento Escoteiro).

Em 2007, o Papa Bento XVI escreveu uma carta aos participantes do Movimento por ocasião do centenário de abertura do primeiro campo de escoteiros do mundo. No texto, o pontífice recordou que “fecundado pelo Evangelho, o escotismo é não apenas um lugar de verdadeiro crescimento humano, mas também o lugar de uma vigorosa proposta cristã e de um genuíno amadurecimento espiritual e moral, assim como de um autêntico caminho de santidade”. No mesmo ano, cerca de sete mil escoteiros se encontraram com o pontífice no vaticano e, diante dele, renovaram a promessa escoteira.